O valor de sua família

Todos os nossos dias passam debaixo do teu furor; vão-se como um murmúrio. Os anos de nossa vida chegam a setenta, ou a oitenta para os que têm mais vigor; entretanto, são anos difíceis e cheios de sofrimento, pois a vida passa depressa, e nós voamos! Salmos 90:9,10

A família é de um valor inestimável, no entanto desperdiçamos momentos significativos de nossa existência aqui nesta terra, quando não sabemos ou não queremos nos relacionar melhor com aqueles que Deus colocou em nossas vidas. Digo isto, pois a vida é muito curta. Um tempo atrás estive em minha cidade natal justamente quando ela comemorava seus 116 anos de primavera. Me refiro a cidade de Eugenópolis, uma pequena, porém importante cidade na zona da mata no Estado de Minas Gerais). Uma das comemorações, foi a presença dos jatos tucanos da força área brasileira, com seus voos acrobáticos nos céus desta pequena cidade do meu coração. Isto aconteceu bem acima de uma casinha em uma pequena propriedade onde minha mãe me trouxe a este mundo, em um sítio de meus avós, através das mãos de uma parteira. Confesso que foram emocionantes as duas coisas, ou seja, estar ali naquele momento com parte de pessoas de minha família que amo e também observar aqueles pilotos e suas maquinas voadoras cortando os céus bem acima onde Deus me trouxe a existência. Este é o sentimento que tive naquele momento. Que Deus me deu vida justamente com um propósito bem definido, que é o de abençoar todas as pessoas que cruzarem o meu caminho. Tal como aqueles aviões a vida passa muito rápido e a Bíblia nos diz: “pois passa rapidamente, e nós voamos.”

Infância, adolescência, juventude, casamento e hoje já sou adulto, esposo de uma linda mulher por dentro e por fora. Pai de dois lindos filhos jovens, agora já casados e também avô de um lindo neto. Mais da metade de um século se passou e a pergunta que paira em minha mente é a seguinte. Será que eu pude contribuir positivamente com as pessoas que passaram por mim nestes anos? Refiro-me mais aos meus familiares em geral. Quando me encontro com nossos parentes que já não vemos há algum tempo, notamos que alguns deles estão envelhecendo, outros já partiram para estar com o Senhor nosso Deus, e num balanço muito simples de minha existência, se eu fosse medir o que proporcionei de bom ou de útil na vida destas pessoas?  Talvez deixei a desejar em muitas áreas. Será que fui amigo, companheiro nas horas difíceis ou não? Quantos eu pude ajudar de fato com uma atenção de qualidade e não somente alguns momentos de reencontro? Quantos eu pude falar do amor de Jesus? Enfim qual o valor que estas pessoas como cônjuges, filhos, netos, bisnetos, avós, pais, irmãos(ãs) tios(as) primos(as) sogros(as), cunhados(as), noras, genros, etc, representam para mim? Será que em algum momento não ouve nenhuma inimizade, intriga, falta de perdão, ódio, mágoa, ressentimentos, desapontamentos diante de algum deles por uma palavra mau colocada, por algo que fiz no passado que julguei como certo mas que na concepção deles, deixei a desejar. Em qual momento ou circunstâncias da vida deixei de fato de ser benção na vida destas pessoas do meu coração?

Por quê estou fazendo estas colocações nesta oportunidade? É que você amigo(a) não é diferente de mim, pois também um dia nasceu e também têm uma família e talvez você ainda não parou para pensar como a vida é realmente curta. Como desperdiçamos nossas vidas com futilidades. Como não priorizamos o que realmente deveria ter valor. Digo isto, pois aqui na terra os nossos dias vão se findar. E o que deixaremos como legado? Como seremos lembrados? Como uma pessoa rabugenta, alguém considerado ruim em seu preceder com as pessoas, mal visto e indesejado, ou alguém de boa índole, bom, amigo, de fato alguém de valor e que procurou se relacionar com todos da melhor maneira possível?

Precisamos valorizar mais, principalmente a nossa família e dedicar a ela tempos de qualidade. Evitar o máximo brigas, discórdias e tudo que pode nos separar. Precisamos constantemente exercer atitudes de perdão, de compaixão e de misericórdia. Procuremos ser bons pacificadores, pessoas honestas e leais. E que o Senhor nosso Deus, através da pessoa do Senhor Jesus, nos dê sabedoria e discernimento para que com criatividade e uma boa dose de boa vontade, possamos nos envolver mais em família, enquanto temos os nossos queridos (as) por perto… Pense nisto e seja feliz em Cristo Jesus…

Deus nos abençoe em família;

Em Cristo;

Pr. Nélson Gouvêa

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Rolar para cima