header
logomarca

Mensagem da semana

Conselhos para os pais, na ótica e experiência de um avô

Finalmente, irmãos, tudo o que for verdadeiro, tudo o que for nobre, tudo o que for correto, tudo o que for puro, tudo o que for amável, tudo o que for de boa fama, se houver algo de excelente ou digno de louvor, pensem nessas coisas.

Tudo o que vocês aprenderam, receberam, ouviram e viram em mim, ponham-no em prática. E o Deus da paz estará com vocês.

- Filipenses 4: 8 e 9

A experiência de ser pai é simplesmente fantástica. Ser pai duas vezes é extraordinário e deslumbrante. A chegada de nossos filhos Suzana e Nélson Henrique para compor a nossa família trouxe um renovo tanto espiritual como emocional em nossas vidas. Suzana nasceu quando eu e Solange éramos alunos no Seminário Evangélico Betânia em Coronel Fabriciano-MG. Henrique por sua vez, quando estávamos em campos missionários na base da Missão Betânia na cidade de Belo Horizonte-MG.

Os vimos nascer e crescer em meio aos desafios do dia a dia. Só para ter uma ideia, quando Suzana nasceu os recursos que tínhamos mal dava para comprar uma coca-cola. No entanto nossa filha se vestiu como uma princesa. Quando Henrique nasceu tínhamos uma mesada mensal de 80,00 dólares, o equivalente hoje a + ou – R$240,00 no qual caiu pela metade sete meses depois, quando fomos para a base da Betânia em Camaquã no Rio Grande do Sul. Confesso que não foi nada fácil, porém nunca nos faltou nada. Deus sempre providenciou o bom e o melhor para a nossa família.

Ainda, quando nossos filhos eram pequenos tivemos o privilégio de servir ao Senhor JESUS em várias cidades, o que tornou a vida ainda mais desafiadora. Ao passo que para eles tudo ia acontecendo em ritmo de aventura. O fato é que cresceram se tornaram adultos, se casaram com pessoas maravilhosas e graças ao bom Deus, continuaram seguindo a fé cristã na qual foram educados.

Hoje, quando olho no retrovisor da vida, numa ótica agora de avô, portanto totalmente nova, eu posso experimentar e vislumbrar certo senso de inconformismo em relação a minha participação direta de pai, na quantidade e na qualidade de tempo que pude estar presente na vida de cada um de meus filhos. Isto mesmo! Se eu pudesse voltar no tempo eu faria muitas coisas diferentes e uma delas, pode estar certo disto, eu seria um pai melhor e muito mais presente. [i]De fato, não digo isto porque me faltou responsabilidade em educá-los, protegê-los ou sustentá-los. O fato é que a minha mente se abriu para entender que o uso de nosso tempo precisa ser bem aplicado. Porém, devido ao egoísmo no desperdício com coisas supérfluas pude notar que ouve muitas perdas.

O que me fez refletir e avaliar sobre este assunto sobre o meu passado com meus filhos, é o presente que desfruto com o meu neto Bernardo, hoje com quatro anos de idade. Bernardo chegou a este mundo no dia 31 de março de 2013. Toda a nossa família se alegrou com o seu nascimento. No entanto, quando coloquei os meus olhos nele pela primeira vez foi algo inexplicável. Eu me lembro que estava naqueles dias muito fragilizado fisicamente. Eu teria que passar por um pequeno procedimento cirúrgico de angioplastia e eu pedi a Deus que se fosse da vontade Dele que me desse mais alguns anos de vida para ver o meu neto crescer. Desde então dia a dia passamos a nos relacionar de forma diferenciada. Criou-se uma empatia misturando os nossos melhores sentimentos. Ser avô é formidável principalmente quando o vejo retribuindo o nosso amor, carinho e cuidado. É neste ponto que eu faço uma pequena comparação com os nossos filhos em relação a um passado já distante. Eu podia ter brincado mais com Suzana e Henrique, inventado ñ coisas simples no sentido de ficar mais perto e participar intensamente de suas vidas e não o fiz. Isto devido aos valores egoístas na busca do sucesso, pela auto aceitação, reconhecimento, coisas que hoje julgo supérfluas e sem nenhum valor. Quisera eu poder recompensar ou reaver o tempo perdido por causa de longas reuniões de trabalho ou projetos inacabados. Se eu pudesse resumir em uma frase “Eu queria simplesmente brincar com os meus filhos como brinco com o meu neto Bernardo hoje”. Espero que tanto Suzana como Henrique me perdoe por tão grande negligência paterna, embora ambos saibam que os amo muito e que cada um deles é especial e tem características e virtudes maravilhosas.

Bom, a elucidação destes fatos de cunho pessoal tem um objetivo especial que é o de poder ajudar de alguma forma, talvez em forma de conselhos a tantos quantos terão contato com este texto.

Pra você que é pai e ainda tem os seus filhos pequenos à sua volta eis algumas coisas importantes e prioritárias a serem observadas em seu relacionamento com seus filhos.

  1. Gaste tempo de qualidade com cada um deles. Qualidade de tempo é simplesmente separar programas especiais para curtir a presença de seus filhos.
  2. Lembre-se que desfrutar da companhia física de seus filhos trarão momentos que nunca sairão da memória deles e nem da sua.
  3. Quando estiver com eles à sua volta e quando eles lhe pedirem ou quiserem a sua atenção, desligue o celular para que notem que são muito mais importante do que qualquer compromisso que você tenha.
  4. Tenha sempre uma comunicação visual, em forma de abraços e beijos carinhosos. Eles precisam saber que são amados de verdade.
  5. Não se irritem facilmente com seus filhos. Não há necessidade de gritaria. A autoridade não se impõe, se adquire com o tempo. Quando houver necessidade de disciplina, procure agir com firmeza, porém com amor e auto controle emocional.
  6. Quando, por algum motivo errarem contra eles, peça perdão. Errar é humano, pedir perdão é uma virtude.

Que o Senhor abençoe ricamente as nossas famílias e que Deus em sua infinita misericórdia e em consonância com o Espírito Santo nos ajude a viver cada dia da melhor maneira possível.

Em Cristo,

Pr. Nélson Gouvêa